5 passos para não criar uma Mary Sue

Postado em 23 de janeiro | Por Letícia Black Comentários

Por que não criar uma Mary sue?

Existem centenas de técnicas para criação de personagens, mas, até hoje, escritores cometem erros básicos de não utilizar nenhuma delas e acabarem escrevendo personagens como bem entendem.

Por conta disso, há uma gama de personagens mal construídos que ganharam nomes porque seguem os mesmos moldes de erros que se repetem livro após livro.

Um dos tipos de erro mais comum dentre os personagens mais construídos levou o nome de Mary Sue. Há também diversos tipos de Mary Sue, mas hoje vamos falar apenas da mais tradicional e comum, Que que surgiu após a gente ficar em sua repetição em uma centena de livros e após dela outros tipos de personagens também foram identificados e nomeados com o seu prefixo ou semelhantemente como a sua versão masculina, o Marty Stu.

O que é uma Mary Sue?

bella swan mary sue

Pareço familiar?

Mary Sue é uma personagem que basicamente é ausente de qualquer defeito. Suas qualidades são exageradas e além do que qualquer ser humano poderia ser, por mais perfeito que ele ou ela seja. Ela pode ter uma auto-estima baixa e não se achar bonita quando se é exuberante e também costuma ser desastrada, mas fora isso todo o restante de sua personalidade e suas habilidades são especiais e não há mais ninguém como ela no mundo.

Após que a Mary Sue foi encontrada estudada, outros personagens com as mesmas características também foram encontrados como parte de sua família. Sua versão masculina se chama Marty Stu.

Ele tem as mesmas características da Mary Su, perfeito e poderoso, como um príncipe encantado, e habilidades infinitas.

Tá, mas e como eu evito que meu personagem seja uma Mary Sue ou um Marty Stu?

Antes de mais nada, nós recomendamos que você busque uma das técnicas de criação de personagem para que seu personagem possa ter vida própria um passado Manias defeitos qualidades medos entre outras características. já vai ajudar bastante na sua luta contra esse tipo de personagem em sua própria história. Aqui não vira folha você vai conseguir encontrar algumas dessas técnicas e fichas que irão te auxiliar nesse momento de construção de personalidade dos seus personagens.

Porém também iremos listar algumas dicas que poderão te afastar desse caminho do mal.

Não se baseia em você

Essa é uma das principais dicas porque a maioria dos autores iniciantes gostam de basear os personagens em si mesmos. E quando desejamos estar dentro de nossas histórias acabamos escrevendo pessoas melhores do que nós somos realmente. Ficamos em foco demais e resolvemos todos os problemas. Não é assim a vida nós sabemos. Se as coisas estiverem fáceis demais ou perfeitas demais, você é uma Mary Sue.

PS: Isso não quer dizer que você não possa ter alguns pontos de identificação com seus personagens. Assim como os nossos amigos os personagens também têm coisas em comum com seus autores, mas não significa que a personalidade deles deve ser baseada em quem os criou porque isso cria um favoritismo crônico.

Tenha um passado para seus personagens

A criação de um plano de fundo de um personagem ajuda a encontrar medos, traumas ou a justificar algumas atitudes. Por exemplo, um personagem que, muito novo, assistiu a mãe ser assassinada pode ter problemas para se relacionar ou desenvolver algum grau de desconfiança e/ou violência, além de outros traumas. Cuidado para não pesar a mão colocando um monte de comportamentos complicados em personagens. Isso pode entrar no âmbito da “lacração”, que é quando você exagera para ganhar mídia e/ou likes.

Pense bastante sobre defeitos

Você com certeza se conhece e conhece outras pessoas e pode identificar alguns defeitos chatos – e mesma assim gosta delas. As vezes, você tem um colega super legal, mas ele faz barulho ao mastigar ou fica de cara feia por nada. Ou, simplesmente, tem um dom para se atrasar ou gosta de explicar uma mesma coisa três vezes. Algumas pessoas são debochadas, arrogantes, falam alto demais ou não gostam muito de tomar banho. Todo mundo tem defeito e colocar defeito em seus personagens é como humanizá-los! Um pouco de insegurança, preguiça, soberba, gênio forte não vai matar ninguém. Dê uma olhada nessa lista de defeitos.

Alerta: evite que seu personagem não tenha consciência sobre a própria beleza enquanto todos os outros personagens o acham lindo de morrer!

Mais difícil?

Mais difícil?

Não lhe dê as coisas de mão beijada

Mary Sues são perfeitas e conquistam tudo porque o mundo é delas. Se seu personagem quer cantar em uma banda de sucesso, faça ele levar vários nãos, ter que dormir em quartos de baixa renda enquanto busca o seu propósito. Insira intrigas, falsidades, dificuldades de todos os tipos. E se a mãe dele estivesse doente, com pouco dinheiro para medicação e ele recebesse uma proposta de emprego fixo que ajudaria a pagar as contas? E se ele encontrasse um baixista ótimo, mas esse fosse o namorado da ex dele por quem ele é ainda apaixonado? Faça as coisas serem difíceis.

Você pode aprender mais sobre dificuldades com criações de roteiro e escolha de plot/plot twist. Fique de olho aqui nas dicas que vamos falar sobre isso em breve!

Ps: Não se esqueça da Lei de Murphy: quando algo puder dar errado, vai dar errado.

Construa bem seu personagem

Se você foi da fase do caderno de perguntas, é isso que você precisa fazer com seu personagem. Identifique suas fraquezas, defeitos, qualidades, metas, até onde ele está disposto a ir, o que jamais faria etc. Eu disponibilizo uma ficha de personagem aqui, mas vocês podem usar outras técnicas e outras formas pra construir seus personagens.

 

Prestem bem atenção na hora de criar um personagem e evitem clichês bobos como tomar café na Starbucks, fazer um coque frouxo e coisas assim. Pequenos detalhes fazem toda a diferença no final!

Boa escrita!

Nenhum comentário em “5 passos para não criar uma Mary Sue”