Vamos falar sobre… Estupro?
Postado em 23 de dezembro | Por Letícia Black Comentários

Nas minhas andanças como escritora, escolhi uma espécie de obrigação social. Resolvi, em meus textos e minhas histórias, falar sobre o não-dito. Sobre as coisas mais tabuladas… Que nem sempre são postas em luzes claras e nem sempre são vistas.
Mas acontecem. O tempo todo.
Metade das vítimas de estupro no Brasil são crianças. A cada duas horas, uma mulher é estuprada. A cada ano, 527 mil pessoas são estupradas no Brasil. O número de superou o número de homicídios dolosos em 2013.
Por que não estamos falando sobre estupro?
Resolvi escrever sobre estupro em Frutos do Pecado e também em Preciosa, e não foi muito difícil pensar sobre o tema. Ele caiu no meu colo.
Uma leitora me contou que tinha sofrido essa violência e eu não soube como ajudá-la, no momento. Nós conversamos e eu tenho certeza que eu lhe disse algumas palavras confortáveis, mas nem sempre é o suficiente.
Eu não quero entrar nas situações que levam ao estupro, mas nós temos que admitir: somos vulneráveis. Não porque somos mulheres e isso nos faz mais fracas (oi? Onde?), mas porque a sociedade nos julgou mais frágeis e suscetíveis. Acabaram nos levando a acreditar que somos culpadas por sermos vítimas.
O que dizer sobre o estupro?
1 – Se um casal divide a cama e ela diz não, mas ele a subjuga mesmo assim… É estupro.
2 – Se a mulher bebeu demais e o cara a convence ou força a transar com ele… É estupro.
3 – Se o cara pega a mulher pelos cabelos e a força… Adivinhem! É estupro.
Estive preocupada há uns tempos atrás, em uma devida cena de Jogando os Dados onde a segunda situação acontece. Houve uma comoção sobre os principais transarem enquanto a mocinha estava bêbada demais para ter qualquer reação sã. Todo mundo ficou comemorando, achando que eles iam transar e eu… “Mas ela tá bêbada”.
Quando foi que começamos a romantizar os crimes contra as mulheres?
Então vamos pensar um pouco. Vamos parar e olhar criticamente para a situação.
Não é não. E fim de papo. Não existe “mas” nem “talvez”.
Se você sofreu ou conhece alguém que passou por isso, a resposta é a denúncia. O seu medo ou vergonha de denunciar vai deixar o agressor a solta e para repetir a situação com outras mulheres. Procure a companhia de alguém que confia e vá até a delegacia mais próxima.


Sobre o Autor

Letícia Black tem 25 anos e é natural do Rio de Janeiro. Viciada em livros e séries, escreve histórias desde cedo e se diverte muito com elas. Sonserina, Judd, Lannister, tributa, erudita, gleek ou simplesmente Leka. Autora orgulhosa dos livros Contos de Uma Fada e Garota de Domingo.



Nenhum comentário em “Vamos falar sobre… Estupro?”